Eu sou a Gil. Tenho 39 anos, sou mãe de 4 filhos (uma aqui e outros três “a um céu de distância”). Sou advogada de formação; doula e consultora de amamentação por puro amor. Tenho verdadeira paixão pela gestação, pelo parto e pós-parto.

Publicidade

Lá em 2015, com o nascimento da minha filha, começou a minha história com a amamentação. Eu, que sempre tive o sonho de amamentar, já que nenhuma mulher da minha família havia feito isso, comecei a estudar o assunto ainda na gestação.

Vamos falar sobre amamentação?
Vamos falar sobre amamentação? (Foto: Shutterstock)

+ Lua de leite: o que é e por quanto tempo ficar sem visitas?

Achei que fosse algo simples e natural, que era só ler um pouquinho, colocar o bebê no peito e, como em um passe de mágica, ele mamaria por alguns minutos, ganharia peso, acordaria de três em três horas e tudo seria perfeito. Claro que não foi assim.

Publicidade

Já nos primeiros dias, a dor absurda, as fissuras intermináveis, os seios que pareciam querer explodir, uma bebê que pedia para mamar a cada hora e chorava… Como chorava! Foi aí que eu descobri a importância de ter um acompanhamento de uma profissional qualificada. Então, decidi estudar amamentação e não parei mais.

“Você não tem leite”. “Seu leite é fraco”. “Esse bebê mama o tempo todo!”. “Ele faz seu bico de chupeta”. “Vai ficar mal acostumado”. “Dá chupeta que acalma”. “Melhor dar fórmula, ele tá morrendo de fome”. “Seu leite não está sustentando”.

Esses são somente alguns dos muitos pitacos que uma mãe escuta quando o bebê nasce.

Amamentar não é, para a grande maioria das mulheres, algo instintivo. Exige confiança, informação e rede de apoio.

Em um mundo perfeito, todas as gestantes contratariam uma consultora de amamentação ainda na gestação, para se informar sobre preparo (ou não) das mamas, colostro, apojadura, massagem, ordenha, pega correta, livre demanda, queda e aumento da produção de leite, armazenamento e formas de oferecer o leite humano, bicos artificiais, ganho de peso, posições, entre outros assuntos.

+ Bomba de tirar leite: como escolher a melhor?

Mas, em uma gestação, são tantos pontos para pensar, que vamos deixando de lado, na maioria das vezes, justamente, a parte da amamentação.

Informação é o primeiro item do enxoval!

É por tudo isso que eu costumo dizer que a melhor coisa que uma mãe pode ganhar é uma consultoria em aleitamento materno, já no pré-natal.

Bora falar mais sobre amamentação ?

Gil Ramos, doula e consultora de amamentação
(Arquivo pessoal)

Gil Ramos (@gilramos.consultoria) é doula, consultora em amamentação, laserterapeuta e especialista em  aromaterapia, cromoterapia e florais. Ela escreve sobre amamentação em BabyHome, na coluna Peitolândia, todos os meses. 

+ Cicatriz da cesárea: como cuidar?

+ Como trocar a fralda do bebê?

+ Quer saber mais? Assine a newsletter de BabyHome e receba toda semana mais dicas sobre como o seu bebê está se desenvolvendo. É rápido e grátis

Publicidade

2 thoughts on “Peitolândia: vamos falar sobre amamentação?

  1. Pingback: Entrevista exclusiva: o pediatra espanhol Carlos González fala sobre ter filhos em tempos de pandemia BabyHome

  2. Pingback: Peitolândia: você já ouviu falar em apojadura? - BabyHome

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *