Poucas coisas na maternidade vão gerar mais expectativa que a resposta a essa pergunta. Se o seu bebê dorme bem desde as primeiras semanas, talvez você não faça ideia do quanto tem sorte. Só quem enfrenta noite após noite de sono interrompido – várias vezes durante a madrugada – e choro de bebê sabe o quanto custa à sua própria saúde não dormir. Você esperou que isso já tivesse acontecido há muito tempo, mas até agora o sono do bebê ainda não entrou no ritmo…

Marcos de melhora do sono

Primeiro, falaram que aos 4 meses o sono dos pequenos começa a regular. Não aconteceu. Depois, disseram que aos 6 meses ele passaria a dormir melhor. Então vieram 6, 7, 8 meses e nada. Você esperou ansiosamente pelo marco de 1 ano, mas parece que não foi dessa vez ainda. Mentiram para você? Na verdade, não.

Nessas fases, as crianças costumam melhorar bastante o seu mecanismo do sono, dormindo mais horas seguidas. Mas nem todas são iguais – e não são poucas as que chegam a 1 ano e 6 meses dormindo ao menos seis horas seguidas. A boa notícia é que os médicos costumam apontar uma idade infalível para uma criança já estar dormindo a noite inteira: aos 3 anos, a mágica acontece. Se não acontecer, é hora de procurar um especialista em sono.

+ Atenção às sonequinhas diurnas

Por que meu bebê não dorme?

Crianças não nascem sabendo dormir naturalmente. Elas precisam aprender. E há alguns fatores que ajudam a regular esse processo todo.

Até os 3 meses, um bebê não consegue mamar muito e vai acordar de 3 a 5 vezes à noite para se alimentar. Além disso, antes dos 4 meses, ele produz pouca melatonina, o hormônio do sono e que regula o relógio biológico e, portanto, não sabe a diferença entre dia e noite. É esperado que esse ajuste ocorra até os 6 meses, por isso essa é também uma fase-marco no processo de sono.

A partir dessa idade, uma criança já pode dormir a noite inteira – e isso pode significar dormir de forma ininterrupta por seis a oito horas. Além disso, a introdução alimentar começa nessa fase e a alimentação sólida tende a saciar a fome por mais tempo. Alguns estudos mostram que, nessa fase, ao menos metade dos bebês já é capaz de dormir de noite à manhã.

Com 1 ano, o esperado é que ele durma de 10 a 12 horas por noite e que já saiba que a noite é feita para dormir. Mesmo que ele já durma bem, não quer dizer que vai ser sempre assim. Picos de crescimento e saltos de desenvolvimento costumam bagunçar a rotina de sono da criança – e são muitos ao longo dos primeiros dois anos. O nascimento dos dentes também pode prejudicar o sono tranquilo. Esteja preparado para os passos para trás.

+ A importância da naninha para o bebê

Deixo a criança chorar?

Alguns dos métodos famosos por fazerem os bebês dormirem incluem deixar a criança chorar até a exaustão. Ele até resolve um problema, mas pode criar outro: dar o recado de que não importa o quanto seu filho chore, ninguém vai socorrê-lo ou estará ali para ele. Parece um pouco cruel, não?

Há técnicas que até permitem algum choro, mas mais controlado: esperar cinco minutos antes de ir até o berço, depois dez e assim por diante. De novo, é uma forma que inclui choro e nem todos os pais vão se sentir confortáveis em fazer isso.

Métodos mais humanizados

Outros métodos sugerem que os pais consolem seu filho imediatamente, mas sem tirá-lo do berço. E que, progressivamente, se afastem dali. Isso exige muita disposição para levantar inúmeras vezes, quantas forem necessárias.

Há quem prefira fazer cama compartilhada, pela praticidade de não precisar levantar para as mamadas e choros. O assunto é polêmico. Oficialmente, a Academia Americana de Pediatria e a Sociedade Brasileira de Pediatria não recomendam a prática, mas sugerem que o bebê durma no quarto dos pais, em berço separado, durante o primeiro ano de vida – como forma de reduzir a morte súbita no primeiro ano de vida.

Cada família deve encontrar a forma que mais a agrada. Mas, para além de qualquer técnica, algumas recomendações para o bom sono são universais. Veja o que você pode fazer a seguir.

O que posso fazer para meu filho dormir?

  • Se o seu bebê ainda mama, tente amamentá-lo um pouco antes de você dormir – por volta das 23h ou meia-noite. Assim, ele tende a acordar um pouco mais tarde e você tem mais horas ininterruptas de sono.
  • Não deixe que seu bebê adormeça mamando. Ele pode associar o peito ou a mamadeira como necessários para que adormeça e não saberá dormir novamente ao acordar de noite. Uma forma de fazer isso é colocar a mamada no início do ritual de sono.
  • Evite embalar para fazer dormir. A gente sabe que é muito difícil não incorrer nesse “erro”, mas o bebê também vai associar o embalo à pegar no sono e vai pedir por isso de madrugada. Você até pode começar o ritual o embalando, mas o ideal é sempre colocá-lo no berço ainda acordado.
  • Os bebês podem se assustar se adormecerem em um local e acordarem em outro. Por isso, coloque-o sempre acordado no berço e evite deixá-lo dormir em um local diferente para depois transportá-lo à cama.
  • Implante uma rotina rígida de horários. Ele deve jantar pelo menos duas horas antes de ir para a cama. Acorde-o no horário de sempre no dia seguinte.
  • Bebês devem estar na cama até as 20h, no máximo. A verdade é que, biologicamente, eles são programados para ficarem com sono antes disso e o ideal seria estar na cama até 19h. Mas, como  isso é quase impossível em nossa vida moderna, tudo bem ir dormir um pouco mais tarde para dar tempo de interagir um pouquinho mais com os pais.
  • Implante um ritual de sono ou mude um pouco o habitual. O clássico é banho, massagem, pijama, dentes escovados, história, música relaxante. Teste o que faz mais sentido para vocês. O importante é não agitar seu filho duas horas antes de ele ir para a cama e isso quer dizer: nada de brincadeiras muito ativas, nem telas, nem luzes.
  • Invista na massagem! Estudos já demonstraram que bebês que recebem uma massagem relaxante dormem melhor e ficam menos doentes.

E mais:

+ Quantas horas o bebê precisa dormir em cada fase?

+ Gritos e choro à noite: pode ser terror noturno

+ A importância de estabelecer uma rotina

Quer saber mais? Assine nossa newsletter e receba toda semana mais matérias sobre como o seu bebê está se desenvolvendo. É rápido e gratuito.