Conforme a data prevista do parto se aproxima, certas providências não podem mais ser adiadas. Se você ainda não escolheu uma maternidade de seu agrado para dar à luz ou ainda não cogitou outras possibilidades com o obstetra, a hora é agora. Para evitar preocupações desnecessárias, confira a lista de recomendações a seguir:

• A maternidade ou hospital de sua preferência é credenciado pelo seu plano de saúde? O seu obstetra conhece e, principalmente, confia no atendimento e nas instalações disponíveis? O local tem condições de atendê-la em relação às suas expectativas sobre o parto que deseja? Essas são perguntas importantíssimas.

PUBLICIDADE

• Visite o hospital e/ou a maternidade e veja ao vivo e em cores todos os seus detalhes bem antes do parto, incluindo as facilidades disponíveis. É bom conhecer, por exemplo, o espaço em que acontece o trabalho de parto: numa enfermaria, no próprio quarto ou num ambiente próprio? Há maternidades que contam com sala preparada para parto normal humanizado, com banheira e banqueta por exemplo, e isso pode fazer a diferença na hora de dar à luz.

• Se você mora num centro urbano, confira as alternativas de trajeto para chegar até lá, inclusive nas piores condições de trânsito. Imagine entrar em trabalho de parto em plena sexta-feira no fim do dia?

• Ouvir a opinião de amigas que já deram à luz no mesmo local pode ajudar a formar uma ideia, mas evite se deixar influenciar 100% por esses conselhos. Sejam positivas ou negativas, as vivências podem não se repetir com você.

• Cheque se o local obedece à legislação brasileira – e à recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) – e permite a presença de um acompanhante (escolhido por você) na sala de parto sem cobrar taxa adicional por isso. 

• Verifique se há permissão para o sistema de alojamento conjunto, em que o bebê permanece no quarto com a mãe na maior parte do tempo – em vez de ficar no berçário tradicional. 

• Caso você esteja cogitando o auxílio de uma doula durante todo o processo – pré, parto e pós-parto -, indague se isso é permitido.

PUBLICIDADE

• Questione se os partos contam com a presença de pediatra e se o hospital/maternidade possui equipamentos necessários para situações emergenciais de recém-nascidos. 

• Pergunte sobre as taxas de cesárea da maternidade. Hospitais privados costumam ter um índice muito elevado – a OMS recomenda que a taxa ideal de parto cirúrgico é de 15% em todo o mundo.

PUBLICIDADE

E mais:

+ Por dentro do berçário

+ Preparando as malas para a maternidade

+ Cursos especiais para gestantes

Quer saber mais? Assine nossa newsletter e receba toda semana mais matérias sobre como o seu bebê está se desenvolvendo. É rápido e gratuito.