Entender a personalidade de nossos filhos nos ajuda a oferecer a melhor resposta para eles enfrentarem os desafios que terão pela frente. Mas filho não vem com manual, não é? E esse processo de entendimento também é uma construção, que leva tempo. Só que não precisa ser tão às cegas assim. Compreender as energias que atuam sobre o bebê, desde o momento da concepção e o desenvolvimento da gestação, pode ser uma ferramenta e tanto para auxiliar mães e pais na difícil tarefa de educar as crianças e prepará-las para a vida. Foi na busca dessas respostas que a mãe, coach e leitora de BabyHome Thais Padilha Wolf chegou ao Mapa Astral Cosmológico.

Thais Padilha Wolf, coach e mãe de Júlia, 6 anos, e Clara, 2 meses, se surpreendeu com o Mapa Astral Cosmológico e diz que a ferramenta vai ajudá-la em seu papel de mãe

Thais leu sobre a influência dessas energias na reportagem “Como age e sente o bebê e a criança de cada signo?”, de BabyHome. E decidiu procurar essa ferramenta de autoconhecimento para a filha bebê, de 2 meses, e logo depois para a mais velha, de 6 anos. A descrição bateu tanto com as duas que ela decidiu fazer o Mapa Astral Cosmológico da família inteira. Ela conta abaixo sobre a experiência que mudou o entendimento sobre a forma de sentir e agir de suas filhas, e como isso impactou o seu papel de mãe.

BabyHome – Thais, obrigada por compartilhar a sua experiência após ter lido nossa reportagem “Como age e sente o bebê e a criança de cada signo?”. Nós gostaríamos de saber um pouco mais sobre você.

Thais Padilha Wolf – Eu sou esposa do Paulo e mãe da Júlia, 6 anos, e da Clara, 2 meses. Tenho minha consultoria e atualmente estou de licença-maternidade, cuidando da Clara e da Júlia.

Com está sendo a sua segunda experiência como mãe?

Muito mais fácil! Embora eu já não me lembre de tudo, graças a BabyHome, que eu acompanho desde o início desta gravidez, as lembranças de como foram na primeira gestação vieram à minha mente na medida em que eu lia.

O que BabyHome trouxe como novidade para você nesta gestação?  

A novidade, para mim, foi sobre a exterogestação. Na minha primeira gestação, quase sete anos atrás, todos me falavam a mesma coisa: você não pode ficar com esta criança o tempo todo no colo. Vai mimá-la. Quando li esta reportagem em Babyhome, entendi que é um processo de conclusão da gestação fora do útero materno. Por este motivo, é aconselhável dar colo o máximo que for necessário, manter esta relação íntima entre bebê e mãe.

Agora eu sei que estava certa quando queria ficar o tempo todo com a minha primeira filha. Era meu instinto materno. Eu colocava a Júlia no meu colo e ela dormia muito. Colocava no berço e ela acordava. Agora, sabendo da exterogestação, avisei a todos da família – marido, pai, mãe, sogra… Todos agora sabem que neste período de aproximadamente três meses o bebê precisa de colo para concluir seu processo de gestação, além de outros cuidados, como aborda a reportagem.

E quanto à personalidade? Já é possível perceber a diferença entre a Júlia e a Clara?

Desde a gravidez eu já percebia a diferença entre uma e outra. A Júlia se mexia bastante, dava chutes. A Clara se mexia de uma forma mais tranquila e dormia muito. Outro ponto é que eu sofri um acidente aos 8 anos de idade e perdi o movimento do braço direito. No momento em que a Júlia nasceu, a minha preocupação era se eu daria conta do ponto de vista físico, já que só posso contar com o braço esquerdo. Eu pensava: Como vou dar banho? Vou conseguir amamentar dos dois lados? Vou conseguir colocá-la para arrotar? 

Com a Clara, já sei que dou conta disto. E conto com o apoio de alguns acessórios que me auxiliam na questão de acessibilidade. Então, a minha preocupação era outra. Queria muito ter um parto natural – o da Júlia foi cesárea. Contratei uma médica de parto humanizado e a minha segunda preocupação era entender um pouco mais como é o jeito de pensar e agir da minha bebê.

Quando saiu a reportagem de BabyHome sobre como age e sente o bebê e a criança de cada signo, li sobre o possível signo da Clara, com base na data prevista para o parto. Li também o da Júlia e vi que batia tudo. Vi o meu, do meu marido. Meu Deus! Pensei: preciso disto para entender e poder ajudar as minhas filhas. Com esta ferramenta, eu vi a oportunidade de entender um pouco mais a Clara: o seu querer, pensar e agir. Com isso, eu posso ajudar a Clara e a Júlia.

Assim que a Clara fez 1 mês, acessei o site do Mapa Astral Cosmológico e adquiri o mapa completo, com a devolutiva. Logo depois comprei o da Júlia e o meu. Ele é muito profundo e completo, traz muitas informações. 

PUBLICIDADE

O que você descobriu no Mapa Astral Cosmológico da Júlia que você vê no comportamento dela?

Bateu certinho! A Júlia tem muito (elemento) fogo! Tem autoridade na fala e nas ações, quando é contrariada vai muito rápido para o autoritarismo. É o fogo que arde e ela explode. Ao mesmo tempo, o mapa dela mostrou que ela tem um senso de justiça muito grande. Isso é a mais pura verdade! Acontece frequentemente no dia a dia com ela. A fala dela é exatamente esta: “Isso não é justo!”. Dá para perceber, por exemplo, quando combinamos algo com ela e por algum motivo não acontece como o combinado. Ela fica muito chateada e diz: “Não foi o que combinamos!”.

Com a Clara, também já percebo em seu comportamento o que o Mapa Astral Cosmológico revelou: ela é mais calma, dorme mais. Ela não tem fogo! Ela gosta de ambientes mais tranquilos. A Júlia não tem problemas com ambientes barulhentos! Ela sempre dormiu. A Clara não dorme. 

Outra coisa que percebo é que ela tem dificuldade para dormir quando saímos do ritmo diário.  Outro dia, estava na casa da minha mãe e chegou o horário do banho. Eu mantive o ritmo, preparei e dei o banho e, mesmo assim ela não dormiu, porque estava em um ambiente diferente.

Saber dessas energias e modos de agir e pensar te ajudou como mãe?

O Mapa Astral Cosmológico veio ao encontro da minha questão que é ter algo para me ajudar tanto com a Clara quanto com a Júlia e saber o que posso fazer para prepará-las para os desafios que a vida trouxer. Saber um pouco como será a Clara e a Júlia, segundo as suas respectivas energias, com certeza me ajudará a me relacionar melhor com elas e também poderei desenvolvê-las melhor nas questões em que elas terão dificuldades de enfrentar, diante dos desafios da vida.

Quando a Júlia nasceu eu não tinha nada. Hoje, com BabyHome, por exemplo, eu sei que a criança aos 2 anos tem uma crise do “eu”. Mas queria particularidades da Clara e da Júlia, do “eu” de cada uma. Com o Mapa Astral Cosmológico, consegui conhecer essas particularidades. Eu sei quais energias cada uma tem e como elas tendem a pensar, sentir e agir.

Eu sempre me conectei com a busca do autoconhecimento. Trabalhei na Natura, que é uma empresa que investe muito no autoconhecimento de seus colaboradores e, depois que saí, continuei nesta jornada. Fiz formação em constelação familiar, conheci várias ferramentas de autoconhecimento.

Com a Clara, eu queria isto, ter um conhecimento de como a ela vai ser, como vai enfrentar seus desafios, o que vai ter mais facilidade. Eu queria muito conhecer esta questão do fogo, da terra, da água e do ar e saber como tudo isso vai ser dentro dela. Se ela terá a força para encarar os desafios ou não. Se ela tende a sofrer mais tempo ou lidará com isso superbem e vai mudar de página e seguir em frente. Eu queria entender as questões de comportamento. Todo mundo gostaria que a criança viesse com um manual de operação ou um mapa e o Mapa Astral Cosmológico é praticamente isso! É tudo! 

PUBLICIDADE

Que desafios você já previu que terá pela frente?

Já sei que a Clara terá o desafio de lidar com a flexibilidade. E isso eu já percebo na rotina do dia a dia, no quanto sair da rotina a deixa desconfortável, como citei anteriormente. Só o fato de não estar na nossa casa já era uma mudança. Neste momento, ela demonstrou a dificuldade de flexibilizar diante de situações que são diferentes do costume, ter o jogo de cintura ao lidar com uma situação que saiu da rotina. Outra coisa que vi no Mapa Astral Cosmológico, que eu precisarei ajudá-la, é levar a vida de uma forma mais leve, com prazer, que pode ter humor, alegria, pode brincar, que não precisa ser tudo muito certinho. E é totalmente diferente para a Júlia, para quem falta organização. 

Outro detalhe é a questão dos números, de quantos em quantos anos a criança vai passar por um desafio para evoluir. Isso é bem legal também! Você se prepara. Vai chegar o desafio – porque não temos como controlar isso – e você pode entender o momento, acolher e ajudar. É muito profundo e completo! Para você saber todos estes detalhes, é necessário comprar o mapa com a devolutiva. Ler o relatório não é suficiente. Comparando: é como você ter um carro e não saber como dirigi-lo.

Você disse que já conhecia algumas ferramentas de autoconhecimento. Pode nos dizer qual o diferencial do Mapa Astral Cosmológico em relação às outras?

Eu já fiz várias ferramentas de personalidade. Elas sempre trazem a questão de se você é introvertido ou extrovertido, organizado ou não, prioriza pessoas ou tarefas… Quando a Júlia nasceu, fui presenteada com um livro e uma parte dele explicava sobre o signo dela. Porém, a explicação era muito técnica, não era clara para mim.

Com o Mapa Astral Cosmológico, é diferente. Você sabe, por exemplo, que sua filha tem uma capacidade de liderança, a tendência é ela querer comandar. Se ela for para o excesso desta energia, deixa de ser líder e passa a ser autoritária e, assim, perde a eficiência desta energia. Sabendo disso, meu papel como mãe é reforçar o comportamento dela toda vez que agir como líder. Brincar por meio de jogos onde ela poderá colocar esta capacidade e desenvolvê-la. 

O Mapa Astral Cosmológico tem um nível de detalhe muito grande. Ele nos mostra em que época da vida os desafios virão e podemos ajudá-las a passar por eles com mais clareza, sabendo como usar a força desta energia a favor delas mesmas.

Você disse que também fez o seu mapa. Pode contar o que descobriu?

Tenho um exemplo prático de como o mapa me trouxe esclarecimento… Como mãe, eu sempre procurei a opinião dos outros. Na gestação da Clara, busquei apoio psicológico e o mapa apontou o quanto eu procuro apoio fora de mim para ter segurança e enfrentar meus desafios. É verdade! Em qualquer situação, entrar num projeto ou numa relação, eu sempre preciso buscar nos outros, seja conhecimento, seja informação para ter segurança e seguir em frente. Preciso de uma força externa para adquirir confiança e entrar numa nova fase ou situação.

Com todas essas descobertas por meio do Mapa Astral Cosmológico, convenci o meu marido a fazer o mapa dele também. Todos nós, da família, poderemos entender uns aos outros, onde estão nossas forças e onde precisamos de compreensão um para com o outro e assim construirmos um verdadeiro relacionamento de amor. Esperamos que, com o Mapa Astral Cosmológico, possamos nos preparar melhor para a vida!  


VERÔNICA GUIDA: “OPORTUNIDADE PARA ENTENDER FORTALEZAS E DESAFIOS DE SEUS FILHOS”

Ouvimos também a terapeuta Verônica Guida, que fez as devolutivas dos mapas da Thaís, da Júlia e da Clara, e pedimos que relatasse como foi esta experiência para o Mapa Astral Cosmológico.

A terapeuta Vêronica Guida diz que, cada vez mais, mães e pais têm buscado autoconhecimento para melhor lidar e estimular o desenvolvimento dos filhos

“Observo que casos como o da Thaís, que buscam este tipo de autoconhecimento para auxiliar de forma diferenciada o processo de desenvolvimento e educação dos filhos, têm sido bem mais frequentes e comuns. É uma nova geração de mães e pais, que se interessam em saber também qual relação terão com os filhos ao longo da vida.

Com certeza, é uma excelente oportunidade para os pais terem uma melhor compreensão das fortalezas e desafios de seus filhos. E, com isso, saberem como lidar no dia a dia com eles e desenvolvê-los nos pontos que terão dificuldades, nos desafios da vida. Quanto mais cedo se conscientizarem da importância de conhecer o Mapa Astral Cosmológico dos filhos, mais condições os pais terão de compreender as atitudes das crianças, saber interagir com elas e ajudá-las a melhor se desenvolverem nas suas capacidades.

Como disse a Thaís, o Mapa Astral Cosmológico é revelador. Além de ser um manual de instruções completo para os pais e que vai fazer toda a diferença ao longo da vida. Vale muito a pena conhecer.”

Verônica Guida, terapeuta do Mapa Astral Cosmológico

PUBLICIDADE

E mais:

+ Como age e sente o bebê de cada signo?

+ Dar colo estraga o bebê?

+ 3 formas de estimular o desenvolvimento motor e cognitivo do bebê

Quer saber mais? Assine a newsletter de BabyHome e receba toda semana mais dicas sobre como o seu bebê está se desenvolvendo. É rápido e grátis.