Com a aproximação da data prevista para o parto, a ansiedade e as dúvidas podem tomar conta das gestantes. E o melhor modo de acabar com os medos é perguntar tudo sobre o momento do nascimento para o obstetra e, se possível, deixar suas escolhas registradas em um plano de parto. Este documento, que pode ser uma carta escrita à mão, é recomendada há décadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Funciona como um registro do que você gostaria que acontecesse se a gravidez correr tranquila e não houver nenhuma emergência durante o trabalho de parto.

+ O que fazer se a sua gravidez passar de 40 semanas

PUBLICIDADE

Converse e tire suas dúvidas com o obstetra

O documento deve ser assinado por você e pelo obstetra, e se possível pelo pediatra, para que todos saibam o que você gostaria que acontecesse. Até por isso, é ideal que ele seja escrito em conjunto com os profissionais que a acompanham e vão participar do parto, pois eles podem dizer o que é viável dependendo de cada gestação. E é importante que todos estejam alinhados de que, se algo fugir do controle e bebê e mãe correrem perigo, a decisão final é da equipe clínica.

O plano de parto é uma ferramenta que ajuda a gestante a ter maior poder de decisão e controle sobre os procedimentos pelos quais quer ou não passar. No Estado de São Paulo, por exemplo, esse direito é assegurado por lei. Mas o tema é controverso e alguns médicos criticam algumas expectativas fantasiosas – por isso a conversa é fundamental.

PUBLICIDADE

+ Saiba quais intervenções podem ocorrer durante o parto

O que escrever na carta:

1) Antes do parto:

  • O local em que você gostaria de ter o bebê (maternidade, casa de parto…)
  • Quem você quer que a acompanhe (pai do bebê, doula…)
  • Se deseja ter liberdade para se movimentar, para comer, para usar itens que tragam alívio à dor (como bola de pilates, ducha, banheira…)
  • Se permite a raspagem de pelos (tricotomia)
  • Informe se não deseja medicamentos ou procedimentos (como oxitocina para indução do parto ou perfuração da bolsa) sem o seu consentimento
  • Caso pretenda ter um parto natural, de cócoras…
  • Se gostaria de ouvir música, ter uma temperatura mais agradável, redução de luzes…

2) Durante o parto:

  • Quem vai acompanhá-la
  • Se deseja que a episiotomia (corte na região do períneo) só seja feita em caso de real necessidade
  • Especifique se quer que o cordão umbilical seja cortado só após parar de pulsar
  • Diga se quer que a placenta saia naturalmente, sem medicação
  • Deixe claro que quer decidir sobre o uso de analgesia
  • Peça que o ar-condicionado esteja em uma temperatura agradável e as luzes rebaixadas

+ Por dentro do berçário: procedimentos com o bebê ao nascer

3) Após o parto:

  • Informe que pretende amamentar na primeira hora após o parto e que quer ficar com o bebê em contato pele a pele
  • Que deseja que o seu bebê seja levado com você para o quarto
  • Se quer adiar o banho (atenção, várias maternidades não permitem isso, é bom verificar antes)

+ O que é feito com a placenta?

Em caso de necessidade de cesárea:

  • Peça que o procedimento seja humanizado: temperatura mais agradável, luzes rebaixadas
  • Que o campo (a cortina) seja abaixado quando o bebê estiver sendo retirado, para que você possa vê-lo nascer
  • Deixe claro que não quer ter as mãos amarradas
  • Que a anestesia permita que você acompanhe o nascimento, acordada
  • Se possível, que o bebê possa mamar na primeira hora e ficar no colo, em pele a pele.
PUBLICIDADE

E mais:

+ Como tornar o trabalho de parto mais tranquilo e aliviar a dor

+ Por quanto tempo mãe e bebê ficam no hospital?

+ Testes e exames importantes para o recém-nascido

Quer saber mais? Assine a newsletter de BabyHome e receba toda semana mais dicas sobre como o seu bebê está se desenvolvendo. É rápido e grátis.