Quantas peças de roupa colocar no bebê? Um recém-nascido sente calor como um adulto? Se deixar só de fralda, ele não vai ficar com frio? Essas dúvidas fazem parte do repertório de toda mãe e todo pai de primeira viagem. E a resposta quase sempre é a mesma: agasalhar o bebê, muitas vezes em excesso. Com medo de que ele apanhe um resfriado, podemos, na verdade, colocá-lo em risco de desidratação, especialmente nos primeiros meses de vida.

Quantidade de peças

Obviamente, o recém-nascido sente mais frio que um adulto e precisa estar sempre mais agasalhado do que nós. Mas a regra, inclusive para bebês maiores, é a que basta apenas uma peça a mais de roupa do que estamos vestindo. Se estiver muito calor, seu filho pode ficar sem roupinhas – e até sem fraldas, nos dias mais quentes, para deixar a pele respirar e evitar que o calor e a umidade na região provoquem assaduras ou brotoejas.

Tipos de roupas

Na hora de vestir o bebê, prefira sempre tecidos naturais como o algodão, que permitem a transpiração, pois os sintéticos costumam reter mais o calor. Dê preferência também a peças de cores claras. Evite ainda roupinhas muito justas ou apertadas, que dificultam a transpiração da pele. Cuidado para não vestir ou cobrir demais o bebê na hora de dormir. Da mesma forma, evite aplicar óleos em dias muito quentes ou cremes muito gordurosos na pele dele.

Transpiração em excesso ou em falta

Nos primeiros meses, o suor não é um bom indicador de calor, porque bebês muito novos podem não transpirar ou suar muito pouco. Neste caso, observe se ele não está irritado ou vermelho, que podem indicar que estão com calor. Mamar mais que o normal pode ser outro indício de que ele está precisando se refrescar.

Suor demais também não é sinal de problema, a princípio. Bebês transpiram bastante para regular sua temperatura corporal, que ainda é um processo que está amadurecendo. É comum que transpirem mais na cabeça, que é uma região mais vascularizada, e enquanto mamam, por causa do esforço. Quando ele estiver assim, procure retirar um pouco das roupas que o cobrem e levá-lo a um local mais arejado, mas sem entrar em contato com vento.

Brotoeja ou dermatite

Caso apareçam pequenas bolinhas vermelhas pelo corpo, que podem começar pelo pescoço, embaixo dos braços ou na área das fraldas, mas também no rosto e ombros, desconfie de miliária rubra (uma dermatite inflamatória conhecida popularmente como brotoeja). Ela é provocada pelo entupimento das glândulas sudoríparas, ainda imaturas, e que costuma provocar coceira.

Uma variação do problema é o surgimento de pequeninas vesículas transparentes (bolhas de água) – essa forma é chamada de miliária cristalina ou sudamina e não provoca coceira. Não agasalhar demais e dar banhos com um pouco de amido de milho (maisena) ajudam a refrescar a pele. O problema costuma desaparecer sozinho.

Como aliviar o calor

Nos dias mais quentes de verão, menos é mais: se puder deixar seu bebê pelado, melhor. Você pode usar um ventilador no ambiente em que seu filho estiver, desde que o jato de vento não esteja direcionado para ele – aponte para a parede, mais para o alto. O ar-condicionado também pode ser ligado (a temperatura ideal do ambiente varia entre 24 e 25 graus). Como o aparelho costuma ressecar o ar, é bom umidificá-lo com umidificadores ou mesmo espalhando bacias e toalhas molhadas. Certifique-se também se o ar-condicionado ele está com os filtros limpos e a manutenção em dia.

Aposte nos banhos morninhos e brincadeiras na água para aliviar o calor, mas evite passar sabonete – uma vez por dia é o suficiente para não retirar a proteção natural da pele. Só como parâmetro, um banho quentinho tem 36 ou 37 graus, portanto, precisa ter uma temperatura menor, mas de forma que agrade seu filho.

Se o seu bebê ainda mama no peito, você pode congelar leite materno e oferecer como picolé para refrescar. Não precisa dar água para crianças com menos de 6 meses e que estão em aleitamento materno, contudo, aumente a oferta das mamadas, já que seu leite é suficiente para hidratá-lo. Caso ele tenha mais de seis meses, ofereça muita água, frutas como melancia, e congele sucos naturais de frutas para oferecer.

Caso saia de casa com o bebê no carrinho, não cubra o equipamento com um pano para evitar o sol – isso só faz aumentar a temperatura interna, a ponto de oferecer risco ao bebê. Retire também do bebê-conforto ou do carrinho itens que possam aumentar a transpiração: mantas, capas protetoras de colchão, colchonete…

Como saber se o bebê está com frio

Mãos e pés frios não são bons termômetros. O ideal é que você sempre cheque se o seu filho está aquecido colocando sua mão na barriga dele: se estiver quentinha, mesmo que esteja com as extremidades frias, está tudo bem. Lábios arroxeados ou tremendo são indicadores de hipotermia.

E mais:

+ Que cuidados ter com o bebê na praia?

+ Quanto oferecer de água para o bebê por dia?

+ É fundamental vestir seu filho com roupas confortáveis

Quer saber mais? Assine nossa newsletter e receba toda semana mais matérias sobre como o seu bebê está se desenvolvendo. É rápido e gratuito.