Ainda na maternidade, os bebês costumam tomar duas vacinas: a primeira dose contra a hepatite B e a BCG, em dose única, que defende da tuberculose (essa, aliás, é aquela que deixa a marquinha no braço para o resto da vida).

Depois disso, ele vai enfrentar uma maratona de vacinas até os 4 anos (especialmente até os 15 meses), que são recomendadas pelo calendário nacional de vacinação do Ministério da Saúde. Mas poderá ser imunizado ainda contra outras doenças nas clínicas particulares, para as quais não há vacinas na rede pública de saúde, como a meningite B.

BabyHome entende que cada família tem o direito de fazer as suas escolhas, mas defende que a vacinação é a principal arma de defesa contra uma série de doenças que podem prejudicar e até levar à morte não apenas o seu filho, mas outras crianças. Vacinar é um pacto que a sociedade assume em conjunto. É um ato de amor também pelo próximo.

O que diz o Calendário Nacional de Vacinação

2 meses

  • Penta: contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e infecções causadas pelo Haemophilus influenzae B – Hib, como certos tipos de meningite e pneumonia (1ª dose)
  • Pneumocócica 10 Valente (conjugada): evita pneumonia, otite, meningite entre outras doenças causadas pelo Pneumococo (1ª dose)
  • Poliomielite 1, 2 e 3 (inativada): previne a poliomielite (1ª dose)
  • Rotavírus: contra rotavírus que causa diarreia (1ª dose)

3 meses

  • Meningocócica C (conjugada): contra meningite tipo C (1ª dose)

4 meses

  • Penta (2ª dose)
  • Poliomielite 1, 2 e 3 inativada (2ª dose)
  • Pneumocócica 10 Valente (conjugada) (2ª dose)
  • Rotavírus (2ª dose)

5 meses

  • Meningocócica C (conjugada) (2ª dose)

6 meses

  • Penta (3ª dose)
  • Poliomielite 1, 2 e 3 inativada (3ª dose)
  • Influenza: protege contra a gripe (dose única)

9 meses

  • Febre amarela: protege contra a febre amarela (dose única)

12 meses

  • Tríplice viral: contra sarampo, caxumba e rubéola (1ª dose)
  • Pneumocócica 10 Valente (conjugada) (reforço)
  • Meningocócica C (conjugada) (reforço)

15 meses

  • DTP: contra difteria, tétano e coqueluche (1º reforço)
  • Hepatite A (dose única)
  • Tetra viral: protege contra sarampo, rubéola, caxumba e catapora ou varicela (dose única) 
  • Poliomielite 1 e 3 (atenuada) (VOP) (1º reforço)

4 anos

  • DTP (2º reforço)
  • Poliomielite 1 e 3 (atenuada) (VOP) (2º reforço)
  • Varicela atenuada (dose única)
  • Influenza: protege contra a gripe (dose única)

Atenção:

A partir dos 6 meses, a vacina contra a gripe deve ser dada anualmente na época de vacinação, até quando a criança estiver com 5 anos, 11 meses e 29 dias de vida.

+ Se preferir, clique aqui para ver em uma tabela o calendário esquematizado da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm)


Vacinas extras ou diferentes na rede particular

O governo brasileiro oferece vacinas gratuitas para as principais ocorrências de doenças infantis. Mas há outras, menos prevalentes, que podem ser dadas nas clínicas particulares como complemento ou em substituição às da rede pública, porque oferecem maior proteção. Converse com o médico do seu filho sobre a necessidade. Siga o calendário acima e acrescente ou substitua (no caso de versões mais completas) por:

2 meses:

  • Penta: possui uma versão acelular, que dá menos reação que a pública.
  • Hexavalente: É a versão acelular da penta, mais a vacina da poliomielite junto, o que evita uma picada. Não tem na rede pública.
  • Rotavírus: existe uma vacina que protege contra cinco tipos de vírus, em vez de um só como na pública.
  • Pneumocócica 13: oferece proteção a 13 bactérias em vez de 10, como é na rede pública.

3 meses:

  • Meningococo B: atua contra meningite B (1ª dose), não tem na rede pública

4 meses:

  • 2ª dose das vacinas pentavalente acelular + pólio (ou hexavalente), rotavírus e pneumocócica 13

5 meses:

  • 2ª dose da meningococo B

6 meses:

3ª dose das vacinas penta + pólio ou hexavalente acelular e rotavírus

12 meses:

  • Meningococo ACWY: acrescenta proteção a outros tipos de meningite além do tipo C.
  • Catapora: no esquema privado, é dado em duas doses, aos 12 e 15 meses. A justificativa é que dá menos ocorrência de febre.
  • Hepatite A: na rede privada, são duas doses, com intervalo de 6 meses entre uma e outra.
  • Meningococo B (reforço)

15 meses:

  • Penta acelular: reforço. Na rede pública, é oferecida só DTP. Na privada, a versão acelular, que dá menos reação, vai junto com reforço da pólio e da Hib.

4 anos:

  • Reforço da DTPa, da poliomielite e da meningococo C ou ACWY. Na rede pública, o reforço da meningococo C acontece entre 11 e 14 anos.

 

E mais:

+ O que observar depois que o bebê toma uma vacina?

+ Quando telefonar ao pediatra?

+ A importância das consultas regulares ao pediatra

Quer saber mais? Assine nossa newsletter e receba toda semana mais matérias sobre como o seu bebê está se desenvolvendo. É rápido e gratuito.

Ei, gostou do conteúdo?
Então não deixe de assinar nossa newsletter e receba os melhores conteúdos sobre gravidez, maternidade e o mundo dos bebês. Além disso, receba grátis também 3 livros infantis em formato de e-book.

    É Gratuito ;)

      Ei, gostou do conteúdo?
      Então não deixe de assinar nossa newsletter e receba os melhores textos sobre gravidez, maternidade e o mundo dos bebês.
      É Gratuito ;)