De modo geral, o sexo durante a gravidez traz benefícios para a futura mãe e para o bebê, deixando-o mais relaxada e até com a pressão arterial mais controlada. O vínculo do casal, que começa a se transformar desde o resultado positivo, também pode se estreitar e ganhar intimidade. No entanto, em algumas fases é possível que a mulher sinta uma redução na libido – como chegar às preliminares, por exemplo, em pleno ataque de azia ou enjoo? E, é importante destacar, certas turbulências durante a gestação podem restringir ou até mesmo proibir a atividade sexual.

BabyHome selecionou as principais recomendações sobre o assunto: 

Escute sempre o obstetra

E, claro, siga todas as recomendações das consultas de pré-natal. Só o médico é capaz de dizer se você pode ou não manter a rotina sexual em cada etapa da gravidez. Casos de sangramento, descolamento de placenta e placenta prévia, entre outros problemas que podem surgir, são impeditivos para o sexo. Mulheres em trabalho de parto prematuro também precisam interromper a atividade sexual, já que o orgasmo pode provocar contrações que antecipam o nascimento. Já o sexo anal costuma ser desaconselhado por muitos obstetras, pelos riscos de contaminação e de piorar as hemorroidas. Converse com seu médico e siga as orientações.

Acredite: não há como o pênis machucar o bebê

Esse é um receio comum entre mães e pais de primeira viagem, mas tranquilize-se: transar não machuca o feto nem prejudica o seu desenvolvimento. Durante o sexo, o pênis penetra o canal vaginal, enquanto o bebê fica na cavidade intrauterina, seguro por uma bolsa cheia de líquido amniótico. E da cavidade do útero até o canal vaginal há o colo uterino e um tampão mucoso que protege seu filho. Podem ficar despreocupados!

Invista no seu bem-estar

As mudanças físicas e emocionais impostas pela gravidez deixam qualquer mulher insegura, ansiosa, nervosa e exausta. Cercar-se de aconchego, principalmente durante o sexo, ajuda a combater toda essa tensão, a relaxar e a curtir o momento.

Escolha roupas de cama de tecidos macios, camisolas e lingeries gostosas ao toque e opte por uma iluminação mais suave para o ambiente. O travesseiro deve acomodar bem a sua cabeça. O ideal é usar um travesseiro para apoiar a barriga durante a transa e aliviar o peso. 

Escolha uma posição confortável

Conforme o barrigão cresce, o encaixe vai ficando complicado. Não dá para jogar peso sobre a barriga e penetrações muito profundas podem ser ruins. Por isso, escolher um jeito em que você  tenha maior controle sobre a penetração é o mais indicado. Um bom exemplo é ficar por cima do parceiro – tanto de frente para ele como de costas.

Uma alternativa é a posição de colher ou de conchinha: você se deita de lado, apoiando a barriga numa almofada, e o parceiro faz o encaixe de lado também.

Outra ideia é a posição de cruz: deitada de barriga para cima, a mulher flexiona as pernas sobre o corpo do homem, que se encaixa nela de lado. A postura é ótima, porque a coluna fica bem posicionada e a barriga se mantém apoiada na cama.

O segundo trimestre pode ser uma fase quente

Os três primeiros meses são marcados por desconfortos como enjoos e náuseas, enquanto os três finais incluem inchaços, dores nas costas e nos pés, dificuldade para dormir e até para respirar.

Assim, provavelmente entre o 3º e o 6º mês você vai se sentir mais disposta e com a autoestima elevada, com direito a seios redondos e pele e cabelo luminosos! Além disso, a movimentação do bebê produz mais confiança e tranquilidade. É uma etapa boa para o casal curtir a gravidez e fortalecer os laços afetivos. Muitas mulheres relatam um aumento da libido nessa fase.

Use e abuse de massagens nas preliminares

Óleos, hidratantes e géis corporais – sempre com a devida aprovação do médico, para evitar o risco de reações alérgicas – em massagens, toques e até carícias orais relaxam, ativam a circulação e excitam ao mesmo tempo. 

Lembre-se: sexo não é só penetração

Quando a penetração não for mais aconselhável ou você não se sentir à vontade para transar até o fim, aproveitem para curtir outras coisas, como masturbação (mútua ou não), sexo oral, beijos, fantasias, descoberta de zonas erógenas, banhos a dois, etc. 

O diálogo entre o casal é imprescindível. Durante a gravidez, há grande variação na libido e cada mulher vive essa fase de uma maneira diferente: umas têm mais desejo, outras menos. Os parceiros também passam por mudanças: alguns não se sentem à vontade, outros ficam ainda mais excitados. Por isso, conversa é fundamental. Dividam sempre os sentimentos – cumplicidade também ajuda na sexualidade.

E mais:

+ Hormônios x parceiro: uma relação muito delicada

+ Pode ou não pode: saiba quais atitudes devem ser evitadas nessa fase

+ Retome a vida sexual com tranquilidade no pós-parto

Quer saber mais? Assine nossa newsletter e receba toda semana mais matérias sobre como o seu bebê está se desenvolvendo. É rápido e gratuito.