Em entrevista exclusiva a BabyHome, a educadora física Carol Borba explica por que não esperou as “tradicionais” doze semanas para dar a notícia de que está grávida ao mundo e fala dos planos para o nascimento do bebê. “Sou medrosa para isso, mas estou disposta a tentar o parto normal”

Publicidade

Provavelmente, você já a viu fazendo exercícios potentes ao rolar o seu feed nas redes sociais. Carol Borba, 36, musa fitness da internet, tem milhares de vídeos de treinos disponíveis na internet e, só em seu perfil pessoal do Instagram, tem quase 2 milhões de seguidores. No Youtube, são mais de 4,5 milhões de inscritos. Agora, além de atrair os interessados em aderir a um estilo de vida mais saudável, é provável que ela atraia também as grávidas, nessa nova fase. Sim, há duas semanas, ela postou um vídeo diferente dos que costuma publicar, anunciando que está grávida pela primeira vez [assista, abaixo]. 

Em uma live, ela contou que fez o exame de sexagem fetal e que o resultado está com uma amiga dela, que vai fazer o chá revelação. “Minha amiga já sabe se é menino ou menina!”, contou.

+ Entrevista exclusiva: o pediatra espanhol Carlos González fala sobre ter filhos em tempos de pandemia

Publicidade

Carol Borba fala com exclusividade da primeira gravidez
Carol Borba fala com exclusividade da primeira gravidez (Reprodução/ Instagram)

A maioria das pessoas costuma esperar as primeiras doze semanas, que são mais delicadas, para contar a novidade para todo mundo. Ela fez diferente e decidiu compartilhar com todos os seus milhões de seguidores dois dias depois de fazer o teste de gravidez. “Eu trabalho com exercícios, faço lives de treino, então, de alguma forma eu teria que pisar um pouquinho no freio. E ia falar o quê para as pessoas? Ia ter que inventar alguma coisa. Eu me sentiria muito mal mentindo para os meus seguidores ou tendo que inventar uma história. Então, falei”, explicou, em entrevista exclusiva a BabyHome

Durante o bate-papo, ela falou sobre a descoberta da gestação, mudanças na rotina, controle da ansiedade, planos para o parto e muito mais. Confira a conversa na íntegra:

BabyHome – Você queria engravidar faz tempo? Planejava ou foi algo que aconteceu?
Carol Borba – Foi algo que aconteceu. Não estávamos planejando, mas já tinha algum tempo que eu tinha parado de tomar anticoncepcional. E como eu tomei por bastante tempo, todo mundo falava, inclusive a médica ginecologista com quem me consultei: “Olha, se você planeja engravidar em algum momento, comece a usar algum outro método contraceptivo, para ir liberando seu organismo do anticoncepcional”. Então, eu parei há um ano, mais ou menos, mas eu estava bem tranquila. Passei por uma cirurgia no ovário há pouco tempo também. Não era algo que estava nos planos para agora, mas também não estava me precavendo. 

BH – Como foi o momento em que desconfiou que estava grávida?
CB – Passei por um final de ano meio atribulado. Peguei uma virose no finalzinho do ano. Depois, na virada, peguei covid-19, depois, um tio meu faleceu e eu acabei não prestando atenção no fato de que eu não tinha ficado menstruada. A última menstruação tinha sido no final de novembro, mas eu nem percebi por conta disso tudo. No início de janeiro, depois que eu melhorei da covid, fui fazer uma gravação para um programa de treinos, treinei muito e, aí, nesse momento, senti que estava cansada. Comecei a sentir os seios meio doloridos também, mas o start para eu querer fazer o teste de gravidez foi eu me sentir cansada demais e perceber que minha barriga estava meio inchada. Aí eu parei para pensar qual tinha sido a última vez que eu tinha menstruado. Pensei: “Não é possível que tenha sido em novembro e estou pensando nisso só agora, em fevereiro. Não. Eu devo ter menstruado em janeiro também e não estou lembrando”. Mas, realmente, eu não tinha menstruado. Foram esses os sinais que meu corpo me deu. O cansaço, essa fadiga e a dor nos seios, além do inchaço na barriga. Um pouquinho de cada coisa me levou a desconfiar.

BH – Qual foi a sensação ao ver o teste positivo?
CB – Foi uma mistura muito doida de sentimentos. Foi uma surpresa, primeiro, e uma incredulidade. Pensei: “Não, não deve ser. Isso está errado”. Depois, falei: “Nossa, mas, se for isso, é legal também”. Aí: “Nossa, mas como vai ser minha vida?”. Então, é uma alegria misturada com um medo, misturado com uma surpresa… No final das contas, quando compartilhei com meu marido e com a minha mãe, que estavam aqui em casa, foi uma explosão de sentimentos muito bons, mesmo.

Assista ao vídeo da revelação da gravidez de Carol Borba para os seguidores:

BH – Muita gente só fala da gestação após as 12 primeiras semanas. Você deu a notícia com 7 semanas. O que moveu seu coração nesse sentido, de decidir falar? Conta um pouquinho.
CB – Eu contei para a minha mãe exatamente no dia em que eu descobri. Preparei o vídeo no dia seguinte e postei um dia depois. Então, foi ao ar dois dias depois do positivo. O que me levou a contar é que eu sempre compartilho absolutamente tudo o que eu faço. Conto as coisas da minha casa, da minha rotina, falo de problemas de saúde, falo tudo. Quando todo mundo falou para eu esperar as doze semanas, eu fiquei me sentindo – é uma coisa  doida – mas é como se eu estivesse traindo minhas seguidoras, os meus seguidores. Eu trabalho com exercício físico, faço lives de treino, então, de alguma forma, eu teria de pisar um pouquinho no freio nos exercícios. E ia falar o quê para as pessoas? Ia ter que inventar alguma coisa. Eu me sentiria muito mal mentindo. Então, falei: “Não, eu compartilho tudo com eles, vou compartilhar. Tenho certeza de que vai vir muita luz e vai me ajudar, em todos os sentidos”. E foi o que aconteceu. As pessoas me acolheram de uma forma tão gostosa. Acho que é isso, é o que a gente sente no coração na hora. Nada contra quem espera essas doze semanas, mas eu me sentiria como se estivesse enganando as pessoas, sabe? Então, quis compartilhar essa alegria com as pessoas que sei que estão ali, que me acompanham e que gostam de mim também. 

+ Os 500 Pode e Não Pode na gravidez: 10 perguntas (e respostas) sobre alimentação na gravidez

BH – Você sempre trabalhou com o corpo e já sabia que o seu era capaz de muitas coisas. Como se sente agora, gerando uma nova vida?
CB – Me sinto muito mais responsável do que em qualquer outro momento da minha vida. Já dei aula para grávidas, tenho especialização de treino para grávidas, mas praticar enquanto estou gestante é uma preocupação diferente. É um senso de responsabilidade, tipo: “Bom, está fácil, consigo fazer um agachamento mais profundo, mas, será que eu devo? Será que vai incomodar o bebê? Será que vai prejudicar de alguma forma?” É um sentimento muito diferente. É um pouco de instinto materno desde esse início, uma coisa de proteção, de responsabilidade, de querer cuidar, de prezar pela saúde do bebê, sabendo que ele é tão pititico. Tenho me sentido assim. Até perguntei para o meu médico se tinha alguma coisa para tomar, porque eu estava muito cansada. Imagina só, minha rotina era muito corrida e cheia de energia e passou direto para um momento letárgico. E foi de repente. E, aí, ele falou: “Não, você já parou para pensar que você está ‘fabricando’ uma pessoa? É isso mesmo. Você está cansada porque seu corpo está precisando de energia’. E eu, de verdade, nunca tinha sentido isso, mas estou me permitindo descansar nos momentos em que eu sinto cansaço, estou ouvindo o meu corpo porque sei que ele está dando os melhores sinais para que eu possa cuidar e gerar bem esse bebê. 

BH – Quais são suas principais preocupações com o bebê nesse momento? O que mais te deixa ansiosa?
CB – Eu tive um pensamento logo no dia em que fiquei sabendo que estava grávida, que foi: “Meu Deus, por favor, cuide bem do meu bebê, que ele tenha muita saúde e seja muito feliz”. Então, desde o primeiro momento, já temos uma preocupação. Mas acho que uma das principais agora é dar o meu melhor, cuidar do meu corpo de verdade para que eu consiga suprir todas as necessidades do meu bebê. Acho que depende de mim, também, e, por isso, vem esse senso de responsabilidade. Mas tenho tentado não ficar ansiosa com nada. Tem dias em que estou muito enjoada, eu até tento comer alguma coisa, forço, pensando no bebê, mas sem ficar ansiosa. Nos primeiros dias, não conseguia comer ovo, que é algo que eu comia todos os dias, porque sei que é importante para a minha rotina. Eu ficava preocupada porque não estava conseguindo comer proteína, ficava um pouco ansiosa. Depois pensei que, não, vou comer o que dá e, aos poucos, isso vai passando. É melhor do que ficar ansiosa. De qualquer forma, a gente passa esse sentimento para o bebê, então, estou tentando não ficar ansiosa com nada. 

BH – E qual é a melhor parte de estar grávida? Tem uma em especial?
CB – Estou grávida faz pouco tempo, mas as pessoas estão me mimando muito, inclusive meu marido. Parece que ele foi abduzido e veio outro no lugar. Uma amiga já tinha me falado que isso poderia acontecer, então, estou amando, meu marido está me tratando como uma princesa. As pessoas também estão cuidando de mim, fazendo coisas para comer, enviando presentinhos. Então, vida de grávida é gostosa, viu? Bem mimada (risos)..

Carol recebeu presentes das seguidoras, que carinhosamente são chamadas de "borbetes"
Carol recebeu presentes das seguidoras, que carinhosamente são chamadas de “borbetes” (Reprodução/ Instagram)

BH – Pretende mudar alguma coisa nos treinos (que são, também, seu trabalho) agora que está grávida? Como vai ser?CB – Bom, nesse primeiro trimestre, a ideia é treinar com menos impacto e não fazer exercícios para treino de abdômen muito intensos, como antes. Diminuí o ritmo também. Antes, às vezes, eu gravava seis treinos num único dia e ainda ia para a musculação. Agora, gravo, no máximo, quatro vídeos e, nesse dia, não faço mais nada. Descanso. Estou escutando um pouco mais o meu corpo. Os exercícios de abdominal, quando posso, coloco meu marido para fazer no meu lugar, nos dias de treinos, ou oriento as pessoas. Estou evitando treinar com muito impacto.

BH – Ainda está longe, mas tem planos para o parto?
CB – Meu plano, a princípio, era fazer cesárea porque sou bem medrosa com parto normal, mas o médico que escolhi já quis falar de parto logo na primeira consulta e já me falou muito dos benefícios do parto normal, mostrou alguns vídeos, falou bastante,contou algumas experiências. Então, estou disposta a me preparar para um parto normal e, se por acaso, der certo, vai ser normal. Se não der, vai ser cesárea. Seja o que Deus quiser. Não vou ficar frustrada.

+ Parto normal ou cesárea? Quem decide?

"Oi, titias, já tenho bracinhos e perninhas": Carol Borba compartilhou imagem do ultrassom
“Oi, titias, já tenho bracinhos e perninhas”: Carol Borba compartilhou imagem do ultrassom (Reprodução/ Instagram)

BH – Qual vai ser (ou qual foi) o primeiro presente que pretende comprar para o bebê?
CB – Nossa, nem pensei nisso ainda. Ganhei alguns presentinhos já de algumas pessoas queridas, mas ainda não pensei. Mas é algo para pensar, né? Vou guardar para o resto da vida o primeiro presentinho que eu comprar… Mas acho que vou deixar para comprar na hora em que eu souber o sexo.

BH – Vocês já têm ideias de nomes? Se sim, já pode contar quais são?
CB – Não tenho nenhuma ideia de nome, por incrível que pareça. Eu e meu marido entramos em alguns sites, demos uma olhadinha, mas nada de definir ou escolher alguns preferidos.

+ Primeiro caso no Brasil: nascem gêmeos gerados com a genética dos dois pais

+ Rafa Brites fala do pós-parto: “Entregue a esse período lindo e louco”

+ Qual carrinho de bebê comprar?

+ Quer saber mais? Assine a newsletter de BabyHome e receba toda semana mais dicas sobre como o seu bebê está se desenvolvendo. É rápido e grátis!

 

Publicidade

One thought on “Grávida, Carol Borba, uma das maiores influenciadoras fitness do Brasil: “Contei na internet depois de dois dias que o teste deu positivo”

  1. Pingback: ENTREVISTA EXCLUSIVA: Flavia Calina anuncia que está grávida do quarto bebê; conversamos com ela - BabyHome

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *