Basta aparecer duas listras no exame de farmácia com o resultado positivo para que dúvidas surjam na cabeça da gestante. Saber se terá um parto normal ou cesárea é uma das mais importantes.

Apesar dos inúmeros benefícios que o parto normal oferece à gestante e ao bebê, como a recuperação e a descida do leite mais rápida, o contato do bebê com microrganismos durante a passagem pelo canal vaginal que estimulam a imunidade e a eliminação do líquido amniótico dos pulmões, a cesárea é responsável por 55,5% dos nascimentos aqui no Brasil, de acordo com um estudo publicado no jornal científico The Lancet.

PUBLICIDADE

+ Anestesia no parto: quais as diferenças entre peridural e raquidiana?

O ideal, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), é que o índice se mantenha entre 10 e 15%. “Acima disso, não há perspectiva que a mortalidade infantil e materna ou as complicações no pós-parto diminuam”, afirma um documento publicado pela organização. O Brasil divide com o Egito o segundo lugar do ranking de nações avaliadas na pesquisa.

Sim, a cesárea salva vidas quando o parto normal não é possível, mas são as cirurgias feitas sem indicação médica as responsáveis pelo crescimento.

Crenças sobre o parto normal

Existe um estigma de que o parto normal é mais demorado e doloroso – ele, de fato, demora mais, mas pode incluir analgesia. Muitas mulheres pensam que o procedimento pode alterar o períneo (região entre a vagina e o ânus) de forma irreversível. Algumas têm medo de possíveis cortes (episiotomia) e lacerações e sentem-se mais seguras em agendar a cirurgia. Ou então moram longe da maternidade escolhida, às vezes em outras cidades, e não querem correr o risco de ter o bebê no meio do caminho.

Do ponto de vista profissional, a cirurgia eletiva demanda menos tempo de trabalho e permite que o médico possa se programar. Isso faz com que muitos incentivem a cesárea sem necessidade, usando os argumentos acima.

No entanto, é importante considerar que a cesárea é uma cirurgia. Logo, tem maior risco de infecção, perda sanguínea três vezes maior, dores no pós-parto e cicatriz.

PUBLICIDADE

Como virar o jogo

Humanizar o parto normal é o caminho para combater as cesáreas desnecessárias. Por isso, o ideal é que as gestantes tenham acesso a um profissional embasado que ofereça todas as informações e a tranquilizem. Ele explicará que, se a saúde dela e do bebê estiverem em ordem, ela pode ter um parto normal. Também deverá falar sobre os tipos de analgesia, para aquelas que têm medo da dor. E ajudará a elaborar um plano de parto, para que as decisões da gestante sejam respeitadas.

A OMS lançou uma nova orientação para reduzir as cesáreas desnecessárias. O documento constata que existem medos e crenças, tanto de mulheres, como de profissionais de saúde, sobre as cesarianas. Considera também as limitações dos sistemas de saúde e as relações entre mulheres, profissionais e organização dos serviços de saúde.

A entidade sugere pedir sempre uma segunda opinião de obstetra e outras ações que promovam uma decisão consciente.

PUBLICIDADE


E mais:

+ Plano de parto: saiba como montar um

+ Parto: tudo o que você precisa saber sobre o assunto

+ Saiba quais intervenções podem ocorrer durante o parto

Quer saber mais? Assine a newsletter de BabyHome e receba toda semana mais dicas sobre como o seu bebê está se desenvolvendo. É rápido e grátis.