Às vezes, o resultado positivo para gravidez nos pega de surpresa, antes do que queríamos. Em outras, damos prioridade para o estudo, a carreira e outros planos e deixamos a gestação para mais tarde. Mas será que existe uma idade ideal para a gravidez? Quais os riscos de engravidar em cada faixa etária? Descubra aqui como é a gestação em cada faixa etária!

Gravidez na adolescência

Nessa faixa etária que vai até os 19 anos, a gravidez é considerada de risco. Quanto mais nova a garota, maior o perigo – inclusive o de morrer no parto. Nessa fase, há maior possibilidade de o bebê nascer com baixo peso, prematuro ou a jovem sofrer aborto espontâneo. A grávida também pode ter problemas como pré-eclâmpsia e eclâmpsia, infecções urinária ou vaginal e anemia.

Isso tudo, claro, sem contar o impacto que a chegada de um bebê traz às várias esferas da vida – emocional, financeira, familiar, social. A evasão escolar aumenta e, com ela, a maior dificuldade em encontrar um emprego depois.

Aos 20 anos 

Sob o ponto de vista biológico, entre 20 e 29 anos é a idade ideal para a gravidez. A fertilidade é alta e o corpo, de modo geral, tem menor risco de complicações na gestação e no parto. Como os óvulos são mais jovens, também é menor a probabilidade de bebê ter falhas genéticas.

+ Como conciliar maternidade e estudo?

Além disso, engravidar nessa faixa etária ajuda a prevenir o câncer de mama, já que os hormônios produzidos na gestação induzem uma proteína que inibe o crescimento desse tipo de neoplasia. Porém, é válido lembrar que hoje em dia muitas mulheres nessa idade ainda estudam e buscam a ascensão profissional e financeira, e um bebê representa mudanças drásticas na rotina.

+ Gestação x carreira: concilie sem estresse

Aos 30 anos

Pela ótica social, esta é a idade ideal para uma mulher levar adiante uma gravidez. Muitas já alcançaram uma certa estabilidade emocional, financeira e profissional. E, por já terem vivido muitas experiências, têm mais maturidade para encarar todas as mudanças que gerar e criar um filho acarretam.

+ Principais problemas com a placenta na gravidez

Após os 35 anos, porém, tanto a quantidade quanto a qualidade dos óvulos diminui e continua a se reduzir com o tempo (pois eles nascem com a mulher, portanto, envelhecem junto). Se ainda não há planos de engravidar, é importante cogitar a possibilidade de congelar os óvulos e partir para a Fertilização in Vitro (FIV) no futuro.

Além disso, depois dos 35, o risco de gerar um bebê com problemas genéticos – como a síndrome de Down – aumenta. Aos 30, a probabilidade de ter um filho com Down é de 1 para mil nascimentos. Aos 40, de 1 para 100. Exames como o de ultrassom morfológico ajudam a detectar anomalias cromossômicas e malformações.

Depois dos 40 anos 

Embora seja, em geral, uma fase plena para a mulher, as chances de engravidar naturalmente são menores, por conta da queda na fertilidade. Além disso, toda gravidez aos 40 anos ou mais é considerada de risco. Há maior perigo de hipertensão, alterações genéticas, pré-eclâmpsia e aborto espontâneo.

O pré-natal da gravidez com essa idade segue as indicações do convencional, mas vai exigir alguns exames extras para avaliar a saúde da mãe e do bebê, observando se ele tem falhas cromossômicas.

E mais:

+ Período fértil: o momento crucial de toda a jornada

+ Suas vacinas estão em dia?

+ Exames importantes do segundo trimestre

Quer saber mais? Assine a newsletter de BabyHome e receba toda semana mais dicas sobre como o seu bebê está se desenvolvendo. É rápido e grátis.